16 de set de 2011

Colhendo frutos



Professor Roberto colhe resultados
Olá, pessoal,
Sou o professor de Química e Física, Roberto Monteiro, atualmente trabalhando em 3 escolas da rede estadual no município de baixo Guandu, Dr Jones dos Santos Neves (EJA), José Damasceno Filho (Ensino Médio Regular) e Maria Helena Stein (Ensino Médio Regular), Conto com apoio das pedagogas Lenira Zandomenico e Lucinete Fisher, da coordenadora Janete Corona  e da ASE Fabíola Natali, exponho aqui parte dos resultados frutos do meu trabalho neste ano letivo nas 13 turmas para as quais leciono.
Tudo começa quando passei a me questionar sobre os resultados de trabalhos feitos em anos anteriores, percebendo a necessidade de maior colaboração por parte dos alunos. Observei que a grande maioria dos alunos não tinha motivação alguma para os temas desenvolvidos nas aulas, tratando os trabalhos pedidos somente como mero compromisso para obter pontuação mínima nas minhas disciplinas. Alguns alunos apenas se apropriavam de cópias, não dando a menor importância nem ao quê copiavam. Outros sequer se identificavam,  nem o próprio nome completo colocavam, trocando-o até mesmo por apelidos.  Faziam dos trabalhos uma verdadeira salada de "desconhecimento.
Diante do diagnóstico anterior, resolvi rever minha prática para motivar os alunos a melhorar os resultados. Salientei a importância do conhecimento das normas dos trabalhos acadêmicos. Uma aula no Lied ajudou no trabalho de pesquisa,  seguido de uma roda de conversa sobre as descobertas. A partir daí criamos as nossas normas que implicam em prazos, aprofundamento do tema na própria sala de aula, abolindo a entrega de trabalhos em folhas de cadernos com motivos, dentre outras. Neste momento percebi interesse e envolvimento dos alunos. Propus então que o tema partisse do próprio interesse deles.  
Daí surgiu o interesse pela relação entre o estudo dos Átomos e a fabricação de alimentos como   “O processo de produção do chocolate” e "O processo de produção do refrigerante". Com os temas escolhidos e aprovados pela maioria,  as regras determinadas, foi dado a partida. Dentre pesquisas e leituras nos materiais de apoio como livros didáticos, paradidáticos, revistas e outros, a internet no Laboratório de Informática das escolas, contribuiu de forma relevante para o aprofundamento do conteúdo. O interesse e a motivação dos alunos ficou expressa nas perguntas e questionamentos que faziam à medida que as dúvidas iam surgindo. A pesquisa na internet possibilitou aos alunos, além da leitura, a visualização de imagens. Incentivei aqueles alunos que habitualmente usam internet em casa, que explorassem mais o tema, assistindo pequenos vídeos. Indiquei sites e leituras em outros documentos antes de passar o que aprenderam para o papel. No dia da entrega, aproximadamente 96% dos alunos entregaram o trabalho em dia, e os que atrasaram só o fizeram por haver um motivo de força maior.

No momento do debate,  numa roda de conversa, deixei bem claro para eles, os alunos,  que aquele dia era o dia em que não iria ensinar, mas sim aprender. Seria o dia de agir e  interagir  com o tema, mostrar pontos relevantes, frisar a importância de fábricas de alimentos na sociedade, do emprego de conhecimento de Química e Física no ambiente de trabalho. O objetivo nesse momento era além de explorar o lado profissional do aluno, ajudar aqueles com dificuldade de entendimento; levá-lo a vincular o ensino de Química e Física administrado em sala de aula com o "lado de fora da escola", como conhecimento útil; conduzi-lo à percepção de que o conhecimento da Química e da Física não se dá apenas através de prova-caderno-trabalho, mas que se trata de um mundo de conhecimentos e pré requisitos que inclusive leva-os a obter bons empregos no nosso estado. Assim eles realizaram de forma brilhante um rico debate sobre os novos conhecimentos na área de Química.
Com muito entusiasmo, muitos alunos disseram que “- Agora eu sei como a Química está presente no chocolate e outros os alimentos”. A aluna Joeslaine do 2º Ano da EJA, da Escola Dr. Jones dos Santo Neves, assim como muitos alunos das outras 12 turmas, reivindicaram ao professor uma visita à fábrica Garoto em Vila Velha (ES), demonstrando interesse pelo real resultado do trabalho realizado.
Levei a reivindicação dos alunos à pedagoga Lenira, e o assunto está sendo estudado pela equipe técnica da escola.
A Pedagoga Lenira acompanhou passo a passo as aulas na Escola Dr Jones dos Santos Neves, fotografando momentos dos alunos no Lied, na biblioteca, entrevistando os alunos, dando todo o suporte com livros fornecidos pela Secretaria Estadual de Educação, e ainda vive salientando a importância de estudos mais dinâmicos e interativos por parte do aluno.
Fica aqui os meus agradecimentos aos colegas de trabalho pelo apoio dado e aos meus alunos por terem me proporcionado momentos ímpar de aprendizagem.
Roberto Monteiro peixoto
Professor